Veja 10 dicas importantes antes de contratar o serviço de crédito consignado

Reprodução
De acordo com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimentos (Acrefi), o consumidor o brasileiro tem preferido usar o crédito consignado no lugar de outras modalidades de crédito como, por exemplo, os financiamentos para vendas de veículos e o de cartões. Desde dezembro de 2011, o consignado subiu 36,8%.
 
Se você precisa de uma grana extra e optou por fazer um empréstimo consignado, é importante ficar atento a alguns detalhes.
 
Fez um empréstimo e teve problemas com a financeira? Reclame AQUI!
 
O Reclame AQUI Notícias pesquisou e fez um resumo com 10 dicas para você conhecer o que é, afinal, o crédito consignado e tudo o que é preciso saber antes de contratar o serviço de uma financeira. Confira:
 

1. O que é um empréstimo consignado

O consignado, ao contrário do empréstimo comum, é um empréstimo em que o pagamento sai do salário do trabalhador antes que ele tenha acesso a esse dinheiro;
 

2. Quem pode contratar o consignado?

Trabalhadores com carteira assinada, funcionários públicos e pensionistas e aposentados do INSS. Para o banco, a garantia de pagamento é maior quando faz o empréstimo para funcionários públicos, pensionistas e aposentados pelo INSS por causa da estabilidade financeira desse tipo de cliente. É importante ressaltar que quem pega um consignado não é obrigado a ter conta no banco onde fará o empréstimo;
 

3. É uma decisão importante, então, pesquise!

Procure vários bancos que tenham convênio com o seu trabalho e que possam oferecer esse tipo de crédito. Não feche o empréstimo no primeiro banco ou financeira que visitar. É muito importante comparar as taxas de juros em várias instituições;
 

4. O que saber das empresas?

Se informe sobre a empresa. É fundamental saber se a instituição financeira está autorizada a funcionar pelo Banco Central. Para empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS, se a instituição está conveniada com o INSS. 
 

5. Compare as condições

Solicite todos os valores que terá que pagar a todas as instituições, de preferência por escrito. Assim você vai saber exatamente quanto será descontado do seu salário, e até quando;
 

6. Avalie sua condição financeira antes de fazer empréstimos

Antes de assinar o contrato, pense antes se a parcela que será descontada não vai fazer falta em seu orçamento. Não conte com horas e outros trabalhos extras que você pode fazer. A dívida tem que caber no salário fixo que você ganha todos os meses. Liste as suas despesas incluindo um percentual para os imprevistos mais comuns, como compra de remédios. De acordo com a lei, o consumidor não pode comprometer mais de 30% da sua renda com esse tipo de empréstimo.
 

7. Não feche acordos por telefone

Evite contratar qualquer tipo de empréstimo por telefone. É sempre bom, se possível, ir pessoalmente e conhecer a financeira, para ter certeza de que é de confiança.
 

8. Mesmo assim, pode cancelar em até 7 dias

Caso você tenha preferido fazer um empréstimo pelo telefone, tem até 7 dias para cancelar o contrato. Segundo o Código de Defesa do Consumidor, o cliente pode rescindir o contrato quando o mesmo foi feito fora do estabelecimento comercial.
 

9. Leia (muito bem) o contrato

Leia o contrato com calma e não guarde dúvidas. Confira se o valor e as condições de pagamento que estão no papel são os mesmos acertados antes. Se precisar consulte seu advogado. Não assine nada que você não entender ou não concordar.
 

10. Evite realizar empréstimos para terceiros

Claro que numa situação extrema, normalmente familiar, isso pode não ser possível, mas o ideal é que você não faça empréstimos para outras pessoas, mesmo que seja um parente ou amigo próximo. Se essa pessoa deixar de pagar e o empréstimo estiver em seu nome, você é que será cobrado e terá que arcar com a dívida.
 
Fontes: Acrefi / Konkero / O Diário.com
 
 
Veja também:

Faça um comentário