Reajuste de frete rodoviário e suposta nova greve dos caminhoneiros

Greve não foi reconhecida por algumas entidades representativas dos caminhoneiros

Reprodução

Nesta quarta-feira (5), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou uma nova tabela para fretes rodoviários. O aumento médio será de 5%, dependendo do tipo de carga.

O aumento tem por objetivo atualizar os preços após o reajuste de 13% do diesel, anunciado na última sexta-feira (31). Os novos valores foram definidos depois de uma reunião entre integrantes do governo e da ANTT, em meio a preocupações de que caminhoneiros poderiam organizar novas paralisações em estradas.

Segundo a agência, a Lei 13.703/2018 prevê que uma nova tabela seja editada sempre que houver aumento superior a 10% no preço do óleo diesel. Esta resolução passa a vigorar a partir desta quarta (5), data da publicação no Diário Oficial da União.

Greve dos caminhoneiros

Neste último final de semana, circulou pelas das redes sociais uma nota supostamente divulgada pela União dos Caminhoneiros (UDC) afirmando que fará uma nova mobilização em todo país após o feriado do dia 7 de setembro e por tempo indeterminado. Mas a convocação não foi reconhecida por outras entidades representativas dos caminhoneiros, como a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) e sindicatos de diversas regiões do país.

No entanto, o temor de um novo período de desabastecimento provocou filas em postos de gasolina em algumas regiões. Foram registradas longas filas de carros em Belo Horizonte (MG) e Recife (PE).

Um dos principais líderes da greve dos caminhoneiros realizada em maio deste ano, Wallace Landim, descartou a possibilidade de nova paralisação da categoria nesta semana, rebatendo boatos que circulam nas redes. Wallace disse que a próxima manifestação está convocada para o dia 12 de setembro, quando os caminhoneiros devem fazer um protesto em frente à ANTT em Brasília, para cobrar fiscalização do cumprimento do tabelamento de frete.

Já leu? Mais de 90 páginas falsas da Uber são identificadas no Facebook

Fonte: Destak/Folha de São Paulo/Época/InfoMoney

Leia tudo sobre

Economia Feed Greve Polêmica

Faça um comentário