Operadoras culpam WhatsApp pela redução de 10 milhões de linhas de celular

Brasil é o quinto maior mercado de telecomunicação móvel do mundo

ReclameAQUI

Pela primeira vez na história tecnológica do Brasil, o número de linhas de telefonia móvel caiu. Segundo dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), entre maio e outubro deste ano, a queda foi de 284 milhões para 274 milhões.

Mas de quem será a culpa por esses números? As operadoras alegam que seus grandes vilões, sem dúvidas, são os aplicativos que possibilitam ligações e chats gratuitos. O chamado “efeito WhatsApp” faz com que os clientes prefiram conversar por mensagens em vez de terem mais de uma conta em diferentes operadoras.

O desligamento de milhões de acessos foi generalizado entre as quatro maiores operadoras do setor. Nesses seis meses, a Vivo perdeu 3,6 milhões de linhas. A TIM ficou com 3,3 milhões de linhas a menos. A Claro teve redução de 2,5 milhões, e a Oi, 1,3 milhão de linhas.

São Paulo foi o estado com maior número de redução (1,8 milhão), seguido da Bahia (987 mil) e Minas Gerais (914 mil).

‘Não adianta remar contra a maré’

O diretor de varejo da Oi, Bernardo Winik, é contrário à proibição de aplicativos como o WhatsApp: “não adianta remar contra a maré. Concordamos com nossos concorrentes quando eles dizem que é preciso haver simetria regulatória. Não é justo que tenhamos tantas obrigações e os aplicativos, nenhuma. Mas não vamos proibir nossos usuários de usá-los”.

App: Para presidente da Anatel, WhatsApp não é ilegal e rebate operadoras

Segundo o presidente da Febratel (Federação Brasileira de Telecomunicações), Eduardo Levy, não se pode atribuir a um único fator essa queda histórica. “É preciso considerar a redução do preço adicional por ligações entre operadoras diferentes, a migração de voz para dados, o aumento de encargos e a situação econômica do país. Tudo isso faz com que as empresas adaptem seus modelos de negócios”, afirmou Levy.

Sem resposta no Reclame AQUI

Além dos problemas citados por Levy, o atendimento das operadoras também é um fator que pode atrapalhar no momento de fidelização. As maiores operadoras de telefonia do Brasil não respondem os consumidores que fazem reclamações sobre o serviço no Reclame AQUI.

No ranking semanal das empresas mais reclamadas, por exemplo, quatro operadoras aparecem. A vencedora, considerando queixas dos dias 3 a 9 de dezembro, é a Vivo, com 1.887 reclamações, seguida da TIM, com 1.285.

Fontes: Código Fonte/G1

Faça um comentário