Obras prometidas para a Copa de 2014 ainda estão inacabadas em 11 cidades

Das 12 cidades-sede brasileiras, apenas o Rio de Janeiro concluiu todas as obras

Marcelo Brandt/G1

Já faz quatro anos que a Copa do Mundo foi sediada no Brasil e, até hoje, muitas obras de infraestrutura, que deveriam ter sido entregues em 2014, não foram terminadas. De todas as 12 cidades-sede brasileiras, 11 têm algum projeto que chegou a ser prometido para a Copa e ainda está inacabado.

A maioria das obras que ainda não foram entregues é da área de mobilidade urbana ou de ampliação e melhorias em aeroportos. Apenas o Rio de Janeiro concluiu todas as obras, mas não necessariamente dentro do prazo.

Falta de dinheiro, problemas com empreiteiras, contratos rescindidos e impasses judiciais e com desapropriações estão entre as causas do atraso na conclusão dos projetos, segundo as administrações.

Belo Horizonte

No Aeroporto Internacional de Confins há obras de ampliação e modernização do terminal paradas desde setembro de 2014. A empresa que opera o local desde agosto daquele ano afirma que melhorias prometidas para a Copa são responsabilidade da Infraero. Ambas estão em negociação para concluir as intervenções.

Cuiabá

Nove obras prometidas seguem inacabadas em Cuiabá. Entre elas, a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que está parada desde dezembro de 2014 e ainda não há prazo de conclusão. Somente 6 km de trilhos foram concluídos, do total de 22 km.

Curitiba 

Quatro das 13 obras prometidas ainda não foram concluídas. Três de responsabilidade do Governo Estadual e duas da Prefeitura de Curitiba. Todas elas fazem ligação entre a capital e a Região Metropolitana, como o corredor Aeroporto-Rodoferroviária e a ampliação e reforma do Terminal do Santa Cândida. Entre as razões alegadas para o atraso de anos estão problemas com as empresas que venceram as licitações e impasses judiciais.

Brasília

São cinco obras atrasadas, entre elas a urbanização do entorno do estádio Mané Garrincha e a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) entre o Aeroporto de Brasília e o Plano Piloto. Novos prazos foram estabelecidos para as obras entorno do estádio, mas desde então nada foi feito. O projeto do VLT foi cancelado definitivamente em 2015.

Fortaleza

A previsão de entrega da expansão do Aeroporto Pinto Martins era dezembro 2013, mas os trabalhos foram interrompidos em maio de 2014. O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que iria cruzar 22 bairros também não foi entregue e teve o contrato rompido pelo governo estadual com o consórcio responsável após uma série de atrasos.

Manaus

O BRT, sistema de ônibus rápido, seria o principal meio de transporte para os torcedores até a Arena da Amazônia. Porém, em 2012, o Governo Estadual e a Prefeitura desistiram de entregar a obra para a Copa, alegando atraso na liberação de recursos para o projeto. Outros atrasos são dos três Centros de Atendimento aos Turistas, mas um está com as obras paradas e os outros nem saíram do papel.

Natal

Na capital, ao menos quatro obras ainda não foram entregues. A mais atrasada é a reforma de 55 km de calçadas nas avenidas que dão acesso à Arena das Dunas, na Zona Sul da cidade. Com 5% do projeto executado, a obra precisou ser parada por problemas com desapropriações.

Recife

Cinco obras de mobilidade não foram entregues. Além disso, o governo do estado rescindiu no ano passado o contrato para construir a Cidade da Copa, projeto apresentado como primeiro modelo de cidade inteligente do Brasil.

Porto Alegre

Das 18 obras previstas para a Copa 2014, dez estão atrasadas e duas ainda não começaram – todas na área de mobilidade urbana.

Salvador

Reformas no aeroporto internacional da capital baiana estão inacabadas até hoje. A troca de administração da Infraero para uma empresa francesa, fez com que a reforma da fachada e a 2ª etapa de construção da nova área de check-in atrasassem.

A implantação do Transporte Rápido por Ônibus (BRT) na cidade também chegou a estar na lista das obras prometidas para a Copa 2014, mas foi retirada porque não ficaria pronta a tempo.

São Paulo

A Linha 17-Ouro do monotrilho, que chegou a ter a inauguração anunciada, até hoje não teve nenhuma estação entregue. O projeto foi retirado da lista por causa da mudança do estádio da Copa para Itaquera, na Zona Leste. Desde então, os valores da obra aumentaram, e os prazos foram sucessivamente ampliados.

De acordo com o Metrô, a execução do trecho prioritário, entre o Aeroporto de Congonhas e a estação Morumbi da CPTM, está em andamento e deve ser entregue em 2019.

Leia também: Golpe pelo WhatsApp promete camisa da seleção brasileira

Fonte: G1

Faça um comentário