Obra em rio de SP que custou R$ 29 milhões não funciona por falta de água

Promessa de beneficiar mais de 300 mil pessoas não foi cumprida por conta da estiagem no local

A2 Fotografia / Diogo Moreira

Há 50 dias, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, inaugurou pessoalmente uma obra da Sabesp para amenizar os problemas de abastecimento no estado. Foram gastos R$ 29 milhões na realização, mas até hoje não houve funcionamento. O motivo? O rio onde foram instaladas as bombas que deveriam captar está sem água. Agora resta a dúvida se o investimento valeu a pena.

O objetivo da obra emergencial era ajudar o Sistema Alto Tietê, levando mil litros de água por segundo do Rio Guaió para a Represa Taiaçupeba, em Suzano, onde fica a estação de tratamento. A promessa era de beneficiar diretamente mais de 300 mil moradores, mas, por causa da estiagem no local, a operação não foi iniciada. "Não há água para retirar do rio", admitiu o superintendente de produção da Sabesp, Marco Antônio Lopez Barros.

Veja também: Crise hídrica adianta programação de obras do plano diretor previstas para 2035

Na época da inauguração, a Sabesp afirmou que a obra era “essencial para garantir o abastecimento da população no período de estiagem, que vai até o fim de setembro” e que a entrada de mais um rio para alimentar as represas iria ampliar o nível de todo o sistema. Porém, desde a entrega da estrutura, o Alto Tietê perdeu 4,5% da capacidade (cerca de 25 bilhões de litros).

Hoje, o Sistema Alto Tietê é o que está mais próximo do colapso. Sem chuva e com vazão de rios 66% abaixo da média para agosto, atravessa o mês mais seco da sua história e tem apenas 15,8% da capacidade. 

Conta de água: Pagou a mais por causa do ar no cano da Sabesp? Você pode ser ressarcido

Fonte: Estadão

Faça um comentário