No Pará, lei define cor do galão de água para ajudar consumidor. Entenda!

Mudança alterou forma de envasamento de águas adicionadas de sais

Agência Pará

Um decreto publicado pelo governo do Estado do Pará neste mês de agosto fez alterações na Lei 8.461, de janeiro de 2017, que estabelece regras para o envasamento de água. Com a mudança, o estado determina um padrão para identificação das embalagens retornáveis de água mineral e água adicionada de sais.

Segundo a Divisão de Controle da Qualidade dos Alimentos do Departamento de Vigilância Sanitária da Sespa, a confusão entre os garrafões causa problemas para o consumidor, que acabava pagando pela água mineral - mais cara - e recebendo a água adicionada de sais que, embora própria para o consumo, é um produto mais barato.

Veja também:  SBT, Record e RedeTV voltam à grade da Sky

“Todas as duas águas são próprias para o consumo, mas uma tem o valor diferente da outra. A principal diferença é que a mineral é retirada do subsolo profundo e envasada em sua forma natural. Já a adicionada de sais pode ser de um solo mais raso e até mesmo da rede pública, mas deve ser adicionada de pelo menos um tipo de sais e a indústria usar sempre as boas práticas de fabricação”, explica Milton Santos, chefe da Divisão de Controle da Qualidade dos Alimentos do Departamento de Vigilância Sanitária da Sespa.

O que muda

A nova lei determina que as empresas só podem envasar água em garrafões próprios - uma fornecedora não pode utilizar embalagem retornável de outra, por exemplo.

"Agora, águas adicionadas poderão ser comercializadas em garrafões de volumetria livre, menos nos de 10 e 20 litros, que agora passam a ser exclusividade das minerais”, disse Milton.

As cores também devem ser respeitadas, com os garrafões azuis sendo exclusivos para água mineral, e a água adicionada de sais devendo ser envasada em garrafões vermelhos.

Fonte: G1

Leia tudo sobre

Alimentação Leis

Faça um comentário