Confira como anda o atendimento das TVs por assinatura

Categoria gerou mais de 149 mil queixas nos últimos seis meses no ReclameAQUI

ReclameAQUI

Não receber uma solução para seu problema, ficar horas no telefone para cancelar o plano ou até mesmo ser ignorado por uma empresa são frustrações comuns entre os brasileiros. Antes mesmo do desligamento do sinal analógico acontecer, as operadoras de TV por assinatura já geravam diversas reclamações entre os consumidores.

Só nos últimos seis meses, a categoria gerou mais de 149 mil queixas no ReclameAQUI. Mais de 83% do total dessas reclamações, ou seja, mais de 125 mil queixas são das cinco principais empresas prestadoras deste tipo de serviço: Sky, NET Serviços, Claro TV, Vivo e Oi Móvel.

Cobrança indevida, problemas de sinal, cancelamento de serviço e mau atendimento são os principais problemas relatados pelos clientes. “Sou cliente antigo desta empresa e sempre tive problemas quando foi necessário acionar algum serviço deles”, registra um consumidor de São Paulo para a NET.

O ReclameAQUI Notícias listou a reputação de cada uma delas e, desde novembro de 2017, as empresas se apresentam como “Não recomendadas”, por não responderem através do ReclameAQUI. Apesar de estarem entre as mais reclamadas e terem esta reputação, a média dos índices de solução é de 43,6%.  

Posicionamento da Oi

O ReclameAQUI Notícias entrou em contato com as empresas, mas somente a Oi retornou. Veja a nota:

"A companhia tem investido no aprimoramento do atendimento, priorizando a resolução dos problemas à primeira chamada e a revisão de processos. Dentre as iniciativas de modernização tecnológica, está a implantação de uma plataforma de atendimento de última geração, que tem como principais benefícios maior facilidade de acesso, atendimento segmentado por tipo de cliente e a funcionalidade de retornar para o cliente caso a chamada seja interrompida (call back).

A Oi também tem investido na transformação digital do negócio com foco na melhoria da experiência do cliente, com o lançamento de aplicativos móveis, por exemplo, bem como no uso de big data para uma abordagem mais individualizada com seus clientes".

Veja também: Projeto que acabar com cláusulas de fidelização nos contratos de serviços

Faça um comentário