Com bandeira verde, ministro promete conta de luz mais barata em abril

Eduardo Braga explica que a redução média deve ficar entre 6% e 7% ao consumidor

Reprodução

Depois de meses seguidos adotando a bandeira vermelha no sistema tarifário - e agora amarela no mês de março - o ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga, anunciou a redução da conta de luz do consumidor a partir da adoção da bandeira verde em abril.

O sistema, que possui bandeiras verde (sem cobrança extra), amarela (R$ 1,50 por 100kWh) e vermelha (dois patamares: um de R$ 3 e um de R$ 4,50 para cada 100kWh), serve para informar, mês a mês, se a energia está mais cara ou mais barata. "Com isso, a partir de abril não haverá mais ônus para o consumidor”, afirmou Braga, acrescentando que, em números, a redução média deverá ficar entre 6% e 7% na conta de luz.

O governo já havia anunciado que em março seriam desligadas sete usinas térmicas com custo de geração acima de R$ 420 por megawatt-hora (MWh). Posteriormente, foi decidida uma redução incluindo 15 usinas que geravam energia a um custo de R$ 250 por MWh. Lembrando que no mês de março a bandeira continua amarela!

Economia de R$ 10 bilhões

Ao todo, em abril, 5 mil MW gerados pelas térmicas já terão sido desligados do sistema, o que representará uma economia total de R$ 10 bilhões ao ano. Braga disse que, mantida a previsão positiva da situação hidrológica, mais 2 mil MW gerados em usinas térmicas poderão ser desligados nos próximos meses.

Todas essas decisões são tomadas durante as reuniões do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, que avalia fatores como entrada de nova energia, capacidade dos reservatórios e comportamento de carga. “Não é apenas uma questão de redução de consumo. A entrada da energia gerada em novas usinas, como as de Belo Monte, Jirau e Santo Antônio tem contribuído [para os desligamentos das térmicas]”, acrescentou o ministro.

Fonte: Jornal do Brasil

Leia tudo sobre

Economia Energia

Faça um comentário