Brasileiros ficaram, em média, 17 horas sem luz em 2014

(foto: Rodrigo Lobo)

Algum momento você, que está lendo esse texto, estava na sua casa, assistindo ao jornal, ou novela, futebol, seriado e, de repente, acabou a luz? É bem provável que, se não aconteceu com você, tenha ocorrido com familiar ou conhecido. O ano de 2014 deixou o consumidor brasileiro sem energia elétrica por nada menos do que 17 horas e 37 minutos, em média. Foi menos que 2013, é verdade - redução de 3,6% - mas o que você poderia fazer com essas 17 horas às escuras? Perdeu algum trabalho? Teve alimento estragado na geladeira?

A Região Norte foi a que mais sofreu, mas também a que teve a maior redução do tempo sem energia elétrica de um ano para outro, de 60 horas e 40 minutos para 47 horas. Na Região Sul, houve aumento no tempo médio que o consumidor ficou sem energia elétrica, de 15 horas e 5 minutos em 2013 para 17 horas e 1 minuto em 2014, "em razão das condições climáticas adversas verificadas".

A propósito! Está com problemas de energia elétrica hoje? Reclame AQUI!

Os dados foram divulgados segunda-feira, dia 18, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na quinta edição do documento "Ouvidoria Setorial em Números - Aspectos Técnicos e Comerciais", disponível no site da agência. As informações abrangem as 63 distribuidoras, e os números são consolidados nacional e regionalmente.

(foto: Carlos Severo / Fotos Públicas)

Mais de 120 mil reclamações

A publicação mostra que em 2014 foram registradas 121.162 reclamações na Ouvidoria Setorial da agência, um aumento de 38% em comparação com 2013. Já as ouvidoras e canais de teleatendimento e atendimento presencial das empresas receberam mais de 28 milhões de reclamações do consumidor em 2014, ou 7,6% a mais em relação ao ano anterior.

O documento ainda revela que as distribuidoras desembolsaram mais de R$ 1,5 bilhão nos últimos quatro anos para compensar o consumidor, "em razão da transgressão dos indicadores de continuidade" do fornecimento de energia elétrica.

Fonte: Estadão

Faça um comentário