Bandeira tarifária em março é amarela com aumento na taxa

Aneel aprovou mudança de R$ 1,50 para R$ 2 a cada 100kWh consumidos

ReclameAQUI

Os consumidores começarão o mês de março com o bolso mais vazio. A conta de luz volta a incluir a cobrança da taxa extra, a chamada bandeira tarifária.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) divulgou na última sexta-feira, dia 24, que a bandeira será amarela neste mês, o que significa que serão cobrados R$ 2 a cada 100 kWh (quilowatts/hora) consumidos. De dezembro até fevereiro, não houve cobrança de taxa, porque estava em vigor a bandeira verde.

No mês passado, a Aneel aprovou a mudança nos valores da taxa extra. Com isso, a cobrança da bandeira amarela subiu de R$ 1,50 para R$ 2 a cada 100 kWh consumidos, enquanto a da bandeira vermelha caiu de R$ 4,50 para R$ 3,50 a cada 100 kWh.

Tarifa branca: Você poderá pagar menos por energia fora do horário de pico em 2018

As bandeiras começaram a ser cobradas em janeiro de 2015 e servem para cobrir o custo mais alto de gerar energia por meio das usinas termelétricas, quando a falta de chuvas prejudica os reservatórios das hidrelétricas pelo país. Segundo a Aneel, a previsão de chuvas nos reservatórios das hidrelétricas em março ficou abaixo da expectativa anterior.

Alterações ao longo do tempo

  • De janeiro de 2015 a janeiro de 2016, a bandeira era vermelha e a taxa extra era de R$ 4,50 para cada 100 kWh consumidos;
  • Em fevereiro do ano passado, passou para bandeira "rosa" e a taxa caiu para R$ 3 para cada 100 kWh;
  • Em março, a bandeira mudou para amarela e a taxa caiu para R$ 1,50 a cada 100 kWh;
  • Em abril, entrou em vigor a bandeira verde e a taxa extra deixou de ser cobrada;
  • Em novembro, vigorou a bandeira amarela, com taxa de R$ 1,50 a cada 100 kWh;
  • Em dezembro, voltou a valer a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra;
  • Em março deste ano, passou a vigorar a bandeira amarela, com taxa de R$ 2 a cada 100 kWh.

A Aneel pede que os consumidores façam o uso eficiente de energia elétrica e combatam os desperdícios.

Fonte: UOL

Leia tudo sobre

Aneel Economia Energia

Faça um comentário