Atenção nas compras: ceia de Natal é afetada pela inflação

Aumento de preços de itens natalinos pesa no bolso, mas consumidor pode economizar alternando marcas

Reclame AQUI

Neste fim de ano, a inflação no Brasil está terminando puxada principalmente pelo gás, gasolina e, como costuma acontecer, pelos alimentos. Isso significa que a ceia de Natal também vai ser impactada, sendo que alguns dos itens mais populares nas festividades são responsáveis justamente pela maior alta nos preços, como é o caso das carnes.

Essa foi uma categoria que acumulou alta de 30,84% nos últimos 12 meses, de acordo com o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), medido pela FGV/Ibre. Dentro desse grupo, é possível perceber como praticamente todas proteínas de origem animal ficaram mais caras, além de outros produtos comuns na cesta de Natal. Confira quais vão pesar mais no seu bolso:

 

 

Compre com mais segurança

 

Mesmo com os preços nas alturas, ainda dá para você driblar algumas armadilhas. Primeiro, para saber como fazer isso, comece assistindo à live "Dicas para compras melhores (e mais seguras!) no Natal", que vai ser realizada no canal do Inmetro no YouTube

A transmissão é gratuita e acontece no dia 17/12, às 19h30, com a participação especial de quem mais entende de consumidor no Brasil: o fundador e CEO Global do Reclame AQUI, Mauricio Vargas

 

Dá para pagar um pouco menos, se ficar atento

Além disso, pense em como mais você pode economizar. Muita gente também, por exemplo, gosta de aproveitar a oportunidade de se reunir com a família para preparar um jantar ainda mais especial, recorrendo a bebidas e outros produtos importados. Mas é bom lembrar que a alta do dólar torna esses itens ainda mais caros.

A FGV/Ibre ainda realizou um teste com duas cestas de compras: uma com produtos de marcas mais famosas e outra de marcas menos conhecidas. Ao final, as substituições resultaram em uma economia de 50%, o que indica que é possível pechinchar. Por isso, tenha em mente que a ceia de Natal vai sair mais cara de qualquer jeito, mas dá para pagar um pouco menos se o consumidor ficar atento aos preços e se realizar as compras com um pouco mais de antecedência.

Faça um comentário