Alunos não podem mais entrar com celular em escola do RS

Segundo professores, a medida ajudou a melhorar a nota dos estudantes

Reprodução

Uma escola do Rio Grande do Sul adotou uma medida que, com certeza, já deve ter sido debatida em outros colégios. Ela proibiu que os alunos utilizem os celulares dentro da instituição de ensino. A decisão, que gerou polêmica, ajudou a melhorar a nota dos estudantes, segundo os professores.

Os quase 200 alunos não podem mais levar nenhum aparelho eletrônico para a sala de aula desde o início do ano letivo. A determinação foi tomada em conjunto entre pais e professores. A secretaria municipal de educação também apoia a medida.

Em 2015, a quantidade de notas baixas deixou muitos pais assustados. O motivo pode estar associado ao uso do celular, já que, neste ano, as avaliações dos estudantes aumentaram cerca de 30%. A proibição, que também vale para o horário do intervalo, aumentou a interação entre os colegas.

Maioria a favor do uso

A maioria dos estudantes da escola Antônio Parreiras é a favor do uso do celular na sala de aula. A decisão de proibir a utilização de aparelhos eletrônicos divide opiniões entre eles.

Alan Weiler, de 14 anos, diz que usa o telefone para aprofundar conhecimentos. “Sem o celular, eu não tenho acesso à internet. Eu entendo que perco um riquíssimo conteúdo. Eu sempre pesquiso muito e assisto videoaulas”, afirma.

Mais: É aluno e está com mensalidades atrasadas? Veja seus direitos

Francine Borghedt, também de 14 anos, diverge do colega. Para ela, a medida aumenta a interação entre os estudantes, além de favorecer o foco no conteúdo das disciplinas. “Foi uma boa decisão, por que melhorou muito tanto os problemas quanto convivência, e gerou mais conversa entre os alunos”, conta.

Para o especialista em informática na educação, Adriano Canabarro, proibir o aparelho pode não ser a melhor maneira de contribuir para o aprendizado dos adolescentes. “A solução talvez esteja na criação de uma cultura da utilização racional desses celulares para que eles possam auxiliar no processo de aprendizagem”, diz. “É uma ferramenta a mais. Os livros são importantes, o quadro negro tem sua importância, a revista… Só que ele [o celular] é extremamente poderoso”, completa.

Qual a sua opinião sobre a medida adotada pelo colégio? Deixe um comentário contando!

Fonte: G1

Faça um comentário