11 direitos que muito consumidor acha que tem, mas não tem

Com a chegada da Black Friday, algumas dicas são importantes para evitar problemas

Reprodução

Sempre que ocorre problemas com algum produto adquirido, seja por defeito ou pelo fato da pessoa não ter se adaptado ou gostado, o consumidor lembra que tem alguns direitos dos quais pode se fazer valer. Mas é importante saber que há regras que regem esses direitos e quem nem tudo é tão fácil como parece ou como achamos e ainda que muitas lojas adotam certas condutas com relação à trocas, por exemplo, para fidelizar e agradar o cliente, uma vez que nem sempre a razão é do consumidor.

Este mês, no dia 25, acontece a Black Friday, por isso, mais do que nunca é bom o consumidor estar ciente dos seus direitos – ou do que não tem direito, para evitar problemas. 

1. Trocas de produtos

Não vale para qualquer situação e sim, quando o produto apresentar defeito. Por esse motivo, quando for comprar algum presente, é bom já negociar com a loja a possível troca, pois o presenteado pode querer trocar o tamanho, a cor etc.

2. Troca de produtos com defeito

Essa troca não é imediata, como se pensa. O lojista é amparado pelo Código do Consumidor, que estabelece um prazo de 30 dias para que o produto seja reparado. Caso ultrapasse esse prazo e o acordo não seja cumprido, ou se o produto continuar defeituoso, se pode trocar por um produto novo ou pedir a devolução do dinheiro. Algumas lojas estipulam o seu próprio prazo – 15, 10 dias ou até mesmo uma semana. E algumas lojas repõem o produto ou devolvem o dinheiro instantaneamente – mas isso é política da própria loja, não adianta fazer escândalos porque a loja está amparada e tem um prazo legal para resolver o problema.

3. Arrependimento da compra

Há um prazo para esse caso, que é normalmente de sete dias, mas não vale em qualquer situação, vale somente para compras feitas fora do estabelecimento – internet ou pelo telefone, por exemplo. Nos casos em que não é possível ver o produto de perto no momento da compra.

4. Pagamento de uma compra com cheque ou cartão

O comércio não é obrigado a aceitar cheque ou cartão, mas o estabelecimento deve deixar essa informação em um local onde o cliente tenha acesso – cartaz ou placa de aviso, por exemplo.

5. Produtos comprados de pessoa física

Esse tipo de compra não tem as garantias do Código do consumidor. A caracterização de consumo só existe entre o consumidor e uma pessoa jurídica. Esses são casos difíceis de solucionar se não houver um entendimento e acerto entre as partes.

6. Devolução

Quando há uma cobrança indevida e o consumidor tem direito a receber em dobro, esse valor corresponde ao dobro somente do que foi cobrado a mais e não do valor total do produto, como muitas pessoas pensam e como é difundido.

7. Produto com o mesmo preço

Neste caso, deve vigorar o menor. Mas, há casos. Se houve falha na exposição, o consumidor pode não ter direito de exigir. Por exemplo, um celular de R$ 1.000 por R$ 10. Nesse caso, não houve má fé, que é quando o lojista tenta atrair o cliente utilizando artifícios do tipo.

8. Dívidas antigas

As dívidas antigas não expiram, como se pensa. Ela pode ficar no cadastro de inadimplentes por 5 anos e sair, mas pode ainda ser cobrada normalmente.

9. Planos de Saúde

Planos de saúde são bem polêmicos, mas não são difíceis de decifrar: o que tem na cobertura do contrato é o que o usuário tem direito – nada mais nada menos. É preciso ver a cobertura do contrato e o rol de procedimentos obrigatórios fixado pela Agência Nacional de Saúde.

10. Sinistro com automóveis

Se der algum problema com o seu carro, o procedimento correto é acionar a seguradora, que irá seguir os procedimentos. Não adianta chamar um guincho para tomar as primeiras providências, isso pode atrapalhar o processo com a seguradora.

11. Eletrodomésticos queimados por oscilação de energia em caso de temporais

Caso isso aconteça, não pode mandar consertar o eletrodoméstico e depois apresentar a conta para a empresa de energia. Para ter o seu direito garantido, é preciso que faça orçamentos, mais de dois, apresente-os à empresa e aguarde a aprovação para depois formalizar o pedido de ressarcimento.

O consumidor tem sim, seus direitos, mas é importante que saibamos que também as empresas são amparadas pelo Código do Consumidor em determinados casos.

Fonte: Hora Brasil

Faça um comentário