Veja quais são as mudanças na fiscalização em aeroportos

Depois de dois dias, passageiros seguem enfrentando longas filas em aeroportos

José Cruz | Agência Brasil

No segundo dia de implantação das novas regras de fiscalização do embarque de voos domésticos, alguns aeroportos continuam registrando longas filas, mesmo depois de a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ter recomendado nesta segunda-feira, 18,  que os passageiros chegassem aos aeroportos duas horas antes do horário previsto para o voo.

Por volta de 6h, o movimento mais intenso de passageiros era observado em Congonhas (São Paulo) e no Santos Dumont (Rio de Janeiro).

Veja mais: Saiba quais são os melhores e piores aeroportos do Brasil

Da 0h às 10h desta terça-feira (19), balanço da Infraero mostrava que, do total de 482 voos domésticos programados no país, 17 estavam atrasados (3,5%) e 9 haviam sido cancelados. Nesta segunda-feira, o tempo médio de espera por atraso em filas nos principais aeroportos do país variou entre 10 e 45 minutos em horários de picos específicos, segundo a Anac.

A mudança, que vale para voos nacionais e internacionais em todos os aeroportos brasileiros, foi tomada para aumentar a segurança dos viajantes e não tem prazo para acabar. 

Confira as mudanças

- Revista física

Todos os passageiros estão sujeitos a passar por uma revista física, feita por um agente do mesmo sexo. Isso pode ser feito de forma aleatória, ou seja, mesmo que não tenha sido disparado o alarme do equipamento de raios X. De acordo com a Anac, a revista poderá ocorrer em local público ou reservado, a critério do passageiro e dos agentes, e com presença de testemunha.

Crianças também podem ser submetidas à revista física, segundo a Anac. A idade mínima, no entanto, não foi informada por "questões de segurança", segundo o órgão.

Se o passageiro se negar a passar por revista física, caso seja solicitado, ele não poderá acessar a área de embarque do aeroporto.

- Notebook

Os passageiros terão que tirar computadores portáteis e outros dispositivos eletrônicos de dentro das malas e mochilas. Antes, segundo a Anac, a medida só era obrigatória para os voos internacionais.

De acordo com a agência reguladora, a presença do notebook dificulta a visualização dos demais itens no interior da bagagem durante a inspeção pelo equipamento de raios X.

- Abertura de bagagem

Os passageiros também podem ter de abrir as bagagens de mão para que os agentes façam a inspeção dos objetos. Isso pode ser solicitado no momento da passagem pelo equipamento de raios X.

Se o passageiro se recusar a abrir a bagagem de mão, ele ficará proibido de entrar na área de embarque do aeroporto.

Fonte: G1

Leia tudo sobre

Aeroportos Anac

Faça um comentário