Pós Black Friday: Segunda-feira já tem mais de 900 reclamações

Monitoramento do Reclame AQUI aponta aumento de queixas. Empresas mais reclamadas são as mesmas

Depois de fechar a Black Friday com 2.912 reclamações, o monitoramento do Reclame AQUI, em parceria com a Mooba, Precifica, Keyrus e KnowIt!, continua depois das 24 horas de megaofertas. O que mais chama a atenção é o volume desta segunda-feira, dia 28, conhecida por muitas lojas como "Cyber Monday", que já registrou 950 queixas até as 14h, contra 736 no mesmo dia de 2015.

 

Fim de semana também cresceu

Das 0h de sábado até as 23h59 de domingo, foram mais 1.813 queixas, um crescimento de 37,7%. Até agora, portanto, foram computadas 5,4 mil queixas, número que supera o balanço das 24 horas de Black Friday de 2015, quando foram computadas 4,4 mil queixas.

A Black Friday se consolida no varejo online, superando datas como Dia das Mães e Natal, mas acompanha a economia e, por isso, apresentou queda. Enquanto isso, as pesquisas para consultar a reputação das empresas no Reclame AQUI cresceram 26%.

 

Problemas das empresas

Das 18h de quinta-feira, dia 24, até as 23h59 deste domingo, os cinco principais motivos de reclamações foram propaganda enganosa, responsável por 19,4%, seguido de problemas na finalização de compra (que sobe uma posição), com 14,3%; divergência de valores (caiu uma posição), 13,3%; produto indisponível (subiu uma posição), com 6,4%; e promoção, com 5,6%. Protagonista em outras edições, a maquiagem de preço - o famoso "metade do dobro" - aparece como sexto motivo de queixas, 4%.

Assim como em 2015, a loja virtual Kabum! segue na liderança desta edição da Black Friday com 677 queixas, seguida da Americanas.com-Loja Online, com 419, e Submarino, com 293 reclamações. O levantamento analisou o ranking até as 11h desta segunda-feira.

Confira o ranking neste momento!

 

Produtos mais reclamados

O smartphone é o produto mais buscado na Black Friday e, por isso, representa 10,8% do volume de reclamações, ficando em primeiro lugar entre os produtos que mais tiveram problemas. Em segundo lugar está TV, 6,6%, seguida de componentes, peças e acessórios de informática.

 

Como foram as 24 horas de Black Friday

Em apenas três das 12 primeiras horas da BF, houve mais reclamações este ano do que em 2015. Já, nas 12 horas finais desta sexta-feira oito desses períodos tiveram mais reclamações do que o ano passado, o que demonstra um deslocamento das compras para as segunda metade da promoção. Antes os consumidores compararam os preços, procuraram promoções verdadeiras e consultaram reputação das empresas que estavam anunciando.

 

Monitoramento das redes sociais

Por meio das ferramentas HugMe, o Reclame AQUI também observa o comportamento dos consumidores nas redes sociais. Embora tenha reclamado menos durante as 24 horas de promoções, reflexo do menor volume de compras e do menor congestionamento dos sites, o consumidor pesquisou mais.

Black Friday nas redes sociais. Clique aqui!

Ao todo, foram feitas 69 mil menções de "Black Friday", e os homens falaram mais sobre o termo nas redes sociais e também lideraram as reclamações. Foram deles 62% das queixas registradas no Reclame AQUI. A faixa etária que mais reclamou foi entre 25 e 35 anos, concentrando 43,1% das queixas registradas, seguida pela faixa entre 36 e 45 anos, com 17,5%. 

Leia tudo sobre

Black Friday

Faça um comentário